De que forma a família pode influenciar no estado de saúde do indivíduo



As relações no ambiente familiar interferem em vários aspectos vida de alguém

Levando em conta a ampla série de estudos e evidências aprontando os fatores benéficos e prejudiciais para uma vida saudável, a família hoje recebe uma atenção muito importante na compreensão da saúde pessoal.

Mesmo sendo uma esfera completamente comum e que nunca deixou de existir ao logo da história, as preocupações sempre foram outras: alimentação, prática de exercícios, estado psicológico, controle de doenças etc. Mas a verdade é que boa parte dessas questões referentes à qualidade de vida estão inseridas no âmbito familiar e são fortemente influenciadas por ele.

O que precisamos realmente saber é: de que maneira essa interferência acontece?

A família cuida da saúde

Até que alguém decida adquirir certas mudanças de hábitos por si mesmo (na maioria das vezes moldadas por informações externas), todas as instruções referentes à própria saúde foram recebidas da família. Valores e crenças que estabelecem as práticas alimentares, atividades físicas e lazer, atuando no desenvolvimento de cada pessoa.

Embora os cuidados à saúde atualmente sejam de responsabilidade do ambiente hospitalar, a família ainda possui uma forte relação sustentada pelo compromisso moral e fraterno. O que isso quer dizer? A influência da família sobre a saúde de um indivíduo é verdadeira e efetiva.

Genética é um fator importante

O conceito de família se tornou bem abrangente, mas os laços sanguíneos ainda possuem fortes intervenções. É o caso dos genes herdados nas futuras gerações, capazes de definir certas características físicas e repassar doenças.

Claro que cuidar bem da própria saúde ajuda no controle de muitas doenças, mas diversas pessoas carregam predeterminações genéticas que se manifestam em algum momento de suas vidas, como a hipertensão, diabetes, alergias, cardiopatias e outras doenças hereditárias.

Família estruturada

O cotidiano, a educação e o ambiente familiar podem influenciar na saúde física e mental de um indivíduo, tanto de forma positiva quanto negativa. Isso acontece não apenas pela importância que parentes próximos exercem sobre nós, mas também pelas experiências obtidas pela convivência.

Lares disfuncionais, por exemplo, onde o ambiente familiar é coberto de problemas sérios, podem trazer sérias consequências principalmente para os filhos. Conflitos são comuns em qualquer família, mas as brigas permanentes, a violência, a ausência e tantas outras formas de desequilíbrios emocionais afetam o bem-estar e a saúde dos membros da família.

Da mesma forma que a existência de dificuldades mais comuns, sendo solucionadas e abertas a comunicação, ajudam no crescimento saudável entre as partes. Não se trata da busca inacabável pelo lar perfeito, mas por um lugar seguro e estável para se viver sem a sombra de traumas.

O cuidado e o apoio de quem amamos

O suporte da família tem um papel fundamental na formação do indivíduo; cuidados que abrangem a preocupação com a saúde física e o apoio emocional. Isso é importante para pacientes em recuperação, por exemplo, para o processo educativo escolar da criança e também no acolhimento de mudanças, sobretudo quando se está diante de desafios.

O afeto precisa ser uma condição natural, estabelecendo um vínculo sincero e de confiança.

Refletir sobre as atividades cotidianas dentro das relações familiares pode não ser a resolução do problema, mas a autoanálise e a percepção real dos acontecimentos são o princípio para a introdução de mudanças. Identificar o que é saudável e o que é nocivo.

Deixe um Comentário

10 + 1 =